segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Resenha: "Escuridão total sem estrelas", de Stephen King

Sumário – Escuridão total sem estrelas, de Stephen King
Sumário – Escuridão total sem estrelas, de Stephen King
"E será que o inferno existe mesmo? Ou fazemos o nosso próprio inferno aqui na Terra? Quando penso nos últimos oito anos da minha vida, acredito que seja o segundo caso." (do conto "1922") 
Brutal. Sanguinolento. Perturbador. Se você é uma pessoa facilmente impressionável, talvez seja bom pensar duas vezes antes de ler Escuridão total sem estrelas. O livro, que é uma compilação de 4 contos de suspense do Stephen King, é uma obra daquelas que deixam você totalmente incomodado, com um nó na garganta.

Se você é um ser humano, a leitura já vai ser angustiante, mas se você é uma mulher, prepare-se para uma experiência ainda mais desorientadora. Digo isso porque a maioria dos contos coloca personagens femininas em meio a situações terríveis e a diálogos extremamente machistas e difíceis de engolir. Alguns trechos me causaram raiva e repulsa. Doeu em mim.
"Havia uma Mulher Vulgar dentro dela – talvez até uma Prostituta – e o vinho sempre a libertava." (do conto, "1922")
O livro começa com o conto "1922", um dos mais violentos e com mais teor machista da coletânea. Nele, um homem relata como ele e seu filho adolescente mataram sua esposa. Em uma espécie de carta de confissão, ficamos sabendo os motivos que os levaram a cometer o crime e o que seus atos maldosos acarretaram à vida de cada um dos envolvidos.

Em "Gigante no Volante", uma escritora de livros de mistérios vê seu destino mudar ao tomar a simples decisão de pegar um atalho. Estuprada e abandonada para morrer, ela acaba se reerguendo e buscando força na sua imaginação. Decidida a partir em busca de vingança, ela acaba vivenciando uma história mais cruel e apavorante do que qualquer outra que já tenha feito parte de seu imaginário.
"Em algum lugar, pessoas ouviam música, compravam coisas pela internet, cochilavam ou falavam ao telefone, mas ali uma mulher estava sendo estuprada, e ela era aquela mulher." (do conto "Gigante no volante") 
Apropriadamente, "Extensão justa" é o conto mais breve do livro. Na beira da estrada, o protagonista da história, que sofre de uma doença terminal, se depara com uma venda inusitada: um homem vende apenas extensões. Extensões elétricas, telefônicas, de cabelo... e de vida. Apesar do tamanho, é um dos contos que mais nos fazem refletir. Até que ponto somos capazes de chegar na busca pela felicidade? O que realmente é justiça?

O fim escolhido por SK para esse conto é o que melhor representa toda a essência desse livro. O final de cada história é coeso e, no entanto, surpreendente. Você fica pensando "é sério que vai acabar assim?". É, é isso mesmo. Você espera por uma reviravolta que não chega. E o fato de King optar pelo caminho mais fácil – se é que podemos chamá-lo assim – é o que torna cada narrativa mais crível, mesmo a de um conto com certo teor fantástico como "Extensão justa".
"A vida é justa. Todos nós  passamos nove meses na barriga, e então os dados começam a rolar. Algumas pessoas dão sorte. Outras, infelizmente, dão azar. É assim que o mundo é." (do conto "Extensão justa")
O último conto é, provavelmente, o meu favorito. "Um bom casamento" conta a história de uma mulher que começa a suspeitar de que seu marido não é nada do que se mostrou nos 20 anos em que estão juntos. Depois de fazer uma descoberta incriminadora na garagem de casa, Darcy começa a ligar os pontinhos. E ela não vai gostar do que está prestes a descobrir. Some uma evidência a uma mulher curiosa e você tem os piores segredos do mundo – e das pessoas – sendo revelados.
"As mulheres são sempre curiosas. Veja só Pandora." (do conto "Um bom casamento")
O livro gera reflexões bem existencialistas. São pessoas diferentes, colocadas em situações diferentes, de extremo desespero, na ausência total de luz (no sentido figurado, caso você ainda não tenha percebido), que reagem a isso, cada uma a seu modo, e passam a, de alguma forma, se questionar de muitas maneiras. E você também termina cada conto se perguntando o que teria feito na mesma situação.

Não bastasse isso, o próprio King faz uma reflexão acerca disso no posfácio. Quanto mais conheço SK, mais vejo que ele é daqueles que gosta de, por meio da escrita, dar uma cutucada no leitor, tirá-lo da sua zona de conforto e fazê-lo botar a cabeça pra funcionar. E aí, no posfácio, depois de explicar de onde surgiram as ideias pra cada um dos contos do livro e que, por serem histórias chocantes, ele também teve dificuldade em escrevê-las, ele convida o leitor a acender a luz e lança um novo desafio.
"O ato de escrever mal em geral surge de uma recusa teimosa em contar histórias sobre o que as pessoas na verdade fazem – em encarar o fato, vamos dizer assim, de que assassinos às vezes ajudam velhinhas a atravessarem a rua. (...) Acredito que a maioria das pessoas é essencialmente boa. Sei que eu sou. É quanto a você que não tenho tanta certeza."
E aí?
Capa – Escuridão total sem estrelas, de Stephen King
Capa – Escuridão total sem estrelas, de Stephen King
Ficha técnica
Título: Escuridão total sem estrelas
Autor: Stephen King
Páginas: 392
Editora: Suma de Letras 

6 comentários :

  1. Só li dois livros do Stephen King (na verdade, nesse momento estou acabando o segundo) e já quero ler todos os dele e talvez o próximo a comprar seja esse, depois dessa resenha. Além da edição ser linda, são contos e só li 2 livros assim e quero ler mais.

    http://blogleitorit.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Que capa linda! Já dá vontade de ler ao ver a capa, mas ao ver Stephen King, a vontade se multiplica! :D Quero demais comprar, já! ^^
    Beijão, Min

    ResponderExcluir
  3. Esse livro é um dos tantos do King que divide os fãs. Uns amam, uns odeiam e cada um tem um conto diferente como favorito. Mas eu confesso que fiquei curiosa! Já estava de olho nesse livro há algum tempo (principalmente porque gostei da capa, hehe), e agora quero pagar pra ver o que eu mesma vou achar, e de qual conto vou gostar mais.

    Sentimentaligrafia

    ResponderExcluir
  4. Eu já tinha visto esse livro nas livrarias e achei a edição bem bonita com as laterais das páginas na cor preta <3 Mas, não sabia exatamente do que se tratava. Esse parece ser aquele tipo de terror dos bons, já que apesar de chocar, acaba nos fazendo refletir também! Ótima sugestão Lu :)

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito desse livro. Acho que meu conto favorito é o Gigante no volante, apesar de ser o mais chocante, na minha opinião. O fato de a pessoa ficar tão obcecada com a vingança que acaba cega para os fatos me deixou chocada. Stephen King consegue prender o leitor de uma forma, mesmo com histórias tão cruéis, que só nos resta correr pra ler tudo dele.

    ResponderExcluir
  6. Nunca li Stephen King, mas só ouço coisas boas sobre.
    Acho que tá na hora de me jogar em uma primeira leitura... Indica?
    Esse "Escuridão total sem estrelas" me parece bem interessante.
    =}

    ResponderExcluir