terça-feira, 21 de julho de 2015

Resenha: "A arte de pedir", de Amanda Palmer

Resenha do livro A arte de pedir, de Amanda Palmer
A arte de pedir, de Amanda Palmer
“'Escreva o livro, Amanda, simples assim.' (...) Então tá, vou escrever. E vou pôr TUDO nele. E aí todo mundo vai saber a verdadeira babacona que eu sou, por ter um marido escritor de sucesso que me bancou enquanto eu esperava o cheque compensar e escrevia o livro ridículo e egocêntrico de não ficção sobre como a gente deve conseguir aceitar ajuda de todo mundo."

Não deixe o título, digno de um livro de autoajuda, te enganar. A arte de pedir é um livro de memórias de Amanda Palmer, mais conhecida como a vocalista da banda de punk cabaret The Dresden Dolls e como a esposa do escritor Neil Gaiman. A obra é um desdobramento da palestra que Amanda ministrou no TED Talks em 2013, mas acaba trazendo conteúdo inédito sobre sua vida pessoal e profissional.

Confesso não ser fã do som de The Dresden Dolls. Como a própria Amanda está sempre afirmando, a música deles não é pra todo mundo. Mas sempre fui curiosa em relação à vocalista, com pelos nas axilas, sobrancelhas desenhadas, maquiagem teatral e discursos feministas. Sua figura peculiar e o fato de ter fisgado o coração de um dos maiores autores dos dias atuais foram motivos suficientes pra que eu quisesse ler esse livro. 

Amanda Palmer é tudo menos ordinária. Enquanto tentava se tornar uma musicista reconhecida, teve trabalhos como estátua viva, balconista, vendedora, garçonete, massagista sem licença, stripper e dominatrix. E esses são só os que me lembro. Em shows e no dia a dia, ela não se contenta em mostrar sua arte; quer se conectar com o público. Ela beija, abraça, tira foto, autografa bundas e pênis, convida os fãs para um café e, quando precisa de algo, seus fãs fiéis são os primeiros a serem consultados para ajudar.

O livro começa com um questionamento: Amanda se pergunta quantas mulheres preferem enfiar papel higiênico na calcinha por medo de pedir um absorvente a alguém. Ela não nega que chegou onde chegou por ser descarada e não ter vergonha de pedir ou de aceitar ajuda de conhecidos ou completos estranhos. Absorventes, um lugar pra passar a noite, um chocolate quente, alguns trocados. Tudo isso Amanda já pediu. E um dia, depois de pedir para cortar relações com sua gravadora, ela resolveu criar um projeto no Kickstarter e pedir aos fãs que financiassem seu novo álbum.

“Pelo que vi, não é tanto o ato de pedir que trava a gente. É o que está por trás: o medo de ser vulnerável, o medo de ser rejeitado, o medo de parecer fraco ou carente. (...) A cultura americana, em especial, incute na gente a estranha ideia de que pedir ajuda equivale a reconhecer o fracasso.”

Amanda é barulhenta, e não só na música. E com tanto barulho acerca do seu projeto, ela acabou batendo um recorde e conseguiu mais de 1 milhão de dólares em contribuições. A meta era de 100 mil. Isso chamou a atenção da mídia e dos haters, é claro. Tudo isso está relatado em detalhes no livro.


“As pessoas conseguem entender uma etiqueta de preço, onde quer que ela esteja pregada. Mas tem gente que não consegue entender uma troca mais confusa de pedir e dar.”

A arte de pedir é construído de forma dinâmica, com várias narrativas curtas – que poderiam ter sido retiradas do diário da autora – que se conectam e compõem as trajetórias pessoal e profissional de Amanda Palmer. O livro inteiro parece uma conversa e funciona como mais uma forma de estabelecer uma conexão entre ela e seu público. Enquanto lia, eu cheguei a sentir que Amanda era uma amiga próxima, de longa data, que estava me contando sua fascinante história de vida.

Além disso, o livro traz fotos da cantora. Em algumas das imagens, é até possível vê-la caracterizada d’A noiva de 2 metros e meio, personagem que ela encarnava quando trabalhava como estátua viva. Cada fim de capítulo traz também a transcrição – e a tradução, na edição brasileira – de uma música do The Dresden Dolls ou da Amanda. Adoro quando livros vêm com trilha sonora! As letras fazem grande referência ao que já foi lido, e recomendo que, ao finalizar o capítulo, você pare um pouquinho para escutar a música da vez. Assim, acabei conhecendo a carreira solo da Amanda e descobri que posso sim gostar das letras e melodias dela.

Se você é fã da Amanda Palmer, leia esse livro. Se você não é fã da Amanda Palmer, ainda assim, leia esse livro. Se você quer saber como Neil Gaiman é na intimidade, leia esse livro. Se você é feminista, leia esse livro. Se você é fanático por música, leia esse livro. Se você sabe ler, leia esse livro.

“Hoje é a minha vez de pegar o absorvente. Amanhã será a sua.”

Quer comprar? Confira algumas opções:
Comprar na Amazon.com.br
Comprar na Livraria Cultura

Ficha técnica
Título: A arte de pedir
Autor: Amanda Palmer
Ano: 2015
Páginas: 304
Editora: Intrínseca

Um comentário :

  1. Oi, Lu! Nunca tinha ouvido falar sobre esse livro e, realmente, se o visse numa prateleira eu logo pensaria em auto-ajuda. Gostei muito da resenha e fiquei com muita vontade de ler, achei incrível a ideia da autora e também o seu convite para a leitura, hahaha ("se você sabe ler, leia esse livro").
    Parabéns pela resenha, ficou ótima!

    Beijinhos e boa noite!
    www.julietaemparis.blogspot.com

    ResponderExcluir